A importância da acessibilidade em todos os espaços

Categoria: Bairros Planejados
A importância da acessibilidade em todos os espaços
Quando falamos em acessibilidade logo vem à sua mente uma cadeira de rodas? Saiba que este conceito vai muito além. Os cadeirantes são um dos públicos que se beneficiam com um espaço acessível, mas os conceitos de acessibilidade abrange pessoas em diferentes condições de mobilidade, incluindo as deficiências visuais e auditivas. A NBR 9050, revisada em 2004, além de considerar as pessoas com deficiência física, ampliou a abordagem para quem tem dificuldades de locomoção, como idosos, obesos e gestantes.

De acordo com um censo divulgado pelo IBGE em 2010, o Brasil possui aproximadamente 45,6 milhões de pessoas que apresentam algum tipo de deficiência. Isso equivale cerca de 23,9% da população brasileira. Esses números não incluem os idosos que também precisam de adaptação e representam mais de 8% da população. Esses dados apenas reforçam a importância da aplicação do conceito de arquitetura inclusiva, afinal a limitação da pessoa não diminui seus direitos: são cidadãos e fazem parte da sociedade como qualquer outro.

 

Entenda o que é acessibilidade

O principal objetivo da acessibilidade é garantir às pessoas o direito de transitar em espaços urbanos sem a interferência de barreiras que as impedem de conviver ou circular livremente. Os espaços de uso coletivo devem ser planejados e adaptados, priorizando o desenho universal, que visa atender simultaneamente todas as pessoas, com diferentes características, de forma autônoma, segura e confortável.

 

Os 7 princípios do Desenho Universal:

1. Uso equitativo: ser útil a pessoas com diferentes capacidades.

2. Flexibilidade no uso: o design acomoda uma ampla gama de preferências e habilidades individuais.

3. Uso simples e intuitivo.

4. Informação perceptível.

5. Tolerância ao erro.

6. Baixo esforço físico.

7. Tamanho e espaço para aproximação e uso.

 

 

Arquitetura Inclusiva

O tema acessibilidade é centro de debate na arquitetura e urbanismo, pois a preocupação em fornecer construções que incluam toda a população é crescente. No desenvolvimento de um projeto, o arquiteto deve se basear nas soluções de acessibilidade para promover a qualidade de vida dos futuros usuários sem deixar de lado e apelo estético e conceitual do projeto. O conceito de acessibilidade na arquitetura é aplicado diretamente na projeção dos espaços, na escolha inteligente dos revestimentos e na seleção precisa dos melhores dispositivos e ferramentas, como suportes, barras, utensílios domésticos, itens de decoração, artigos de sinalização, entre outros. Tudo isso em espaços públicos e privados.

 

Em recente decisão do poder legislativo brasileiro, a partir do dia 26 de janeiro de 2020, de acordo com o Decreto Federal 9.451, os projetos de apartamentos residenciais deverão ser entregues convertidos ou aptos à conversão futura para o uso de pessoas com deficiências físicas ou mobilidade reduzida. O comprador do imóvel deve sinalizar o desejo por uma unidade com acessibilidade e as adaptações não podem gerar custos adicionais ao proprietário. Além dos espaços internos, as áreas externas do condomínio também devem atender aos requisitos estabelecidos nas normas técnicas de acessibilidade, como, por exemplo, destinar 2% das vagas de garagem para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

 

O espaço deve se adaptar aos usuários, pois o movimento contrário, em que o usuário se ajusta, é incompatível com a proposta de inclusão. Apesar da importância da acessibilidade na arquitetura, muitos projetos ainda aplicam suas medidas de forma pontual, resultando em espaços não inclusivos e sem planejamento amplo.

 

Por que a acessibilidade é tão importante

A acessibilidade é importante porque garante que pessoas com mobilidade reduzida ou com necessidades especiais tenham o direito de ir e vir sem prejudicar a sua integridade física. Quando há garantia da acessibilidade, a sociedade em geral é beneficiada e poderá usufruir de melhores condições de acesso e uso de equipamentos e mobiliários urbanos, promovendo a inclusão do indivíduo com autonomia e segurança. A sociedade, de maneira geral, está cada vez mais preocupada em diminuir as diferenças e aproximar as pessoas. Colocar em prática a acessibilidade é uma questão de qualidade de vida e respeito à diversidade.

 

Exemplos de Projetos de Acessibilidade

 

Lar para Idosos | Portugal

O Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Alcácer do Sal, dos arquitetos Manuel e Francisco Aires Mateus, foi um dos cincos finalistas do Prémio Mies van der Rohe para a Arquitetura Contemporânea da União Europeia. As unidades individuais prezam pela acessibilidade dos moradores, agregando-se em um corpo único. Rampas com corrimãos conectam os ambientes e dão acesso seguro a um jardim elevado no topo do complexo.

 

 

Escola Estadual em Votorantim | Brasil

Esta escola pública no interior de São Paulo está preparada para atender alunos com deficiências, assim como qualquer centro educacional deveria estar. O projeto conta com placas podotáteis para a orientação de cegos, rampas e corrimãos.

 

Room Room | Japão

Este anexo projetado para um casal de surdos e seus dois filhos foi concebido pelos arquitetos japoneses Takeshi Hosaka Architects para solucionar a comunicação entre os pais e os filhos. Quase uma centena de pequenas janelas quadradas se espalham pelas paredes, piso e teto dos cômodos que compõem essa edificação, por onde é possível que seus habitantes se comuniquem por linguagem de sinais entre seus ambientes internos e externos.

 

Na Vokkan não é diferente, no desenvolvimento dos projetos várias questões são analisadas como a acessibilidade, promovendo uma melhor qualidade de vida e igualdade. 

Compartilhe: